Por que obesidade e diabetes fazem parte do grupo de risco da COVID-19?

Atualmente, a obesidade é considerada um problema de saúde pública mundial e sua prevalência vem aumentando em virtualmente todos os países do globo. Praticamente todas as nações do planeta apresentam taxas de sobrepeso/obesidade maior do que 20%.

A obesidade, além de ser um grave problema de saúde per se, está associada a diversas outras doenças, como pressão alta, infarto do coração, derrame cerebral, doenças das articulações, doenças respiratórias, doenças hepáticas, diabetes mellitus e até mesmo câncer.

(temos um texto específico de obesidade aqui)

 

O que a obesidade tem a ver com a COVID-19?

A pandemia de influenza A H1N1, em 2009, já havia nos mostrado que indivíduos obesos têm mais chances de apresentar quadros mais graves da doença, bem como maior mortalidade. A questão é que a obesidade prejudica vários “setores” do corpo humano, incluindo o sistema imune, que é aquele que defende o organismo dos “ataques” de vírus, bactérias e demais “invasores”.

Entre janeiro e junho de 2020, pelo menos 18 estudos – realizados em diversos países do mundo – mostraram que indivíduos obesos têm mais chance de contrair o SARS-CoV-2 (vírus causador da COVID-19) do que os não obesos. O conjunto desses estudos evidencia que a probabilidade de o obeso apresentar a doença é praticamente o dobro da de um indivíduo de peso normal e que as chances de admissão em unidade de terapia intensiva são 74% maiores.

Também nos últimos meses, 35 estudos mostraram que a probabilidade de óbito por COVID-19 aumenta em 48% se o indivíduo for obeso.

 

Por que o sobrepeso e a obesidade elevam as chances de se adquirir COVID-19? Por que aumentam também a gravidade dessa infecção?

O indivíduo obeso apresenta maior quantidade de células inflamatórias tanto no tecido gorduroso quanto no sangue, ou seja, ele apresenta inflamação crônica. Esse estado inflamatório permanente prejudica o sistema imune, facilitando a instalação de determinadas infecções e aumentando a gravidade das mesmas. Numa doença como a COVID-19, por exemplo, esse excesso de células inflamatórias é o responsável pelos danos pulmonares, a hipoxemia (redução do oxigênio) e o edema pulmonar, que são os problemas que costumam levar o indivíduo ao óbito.

A doença gordurosa do fígado, que é mais uma doença relacionada à obesidade, também aumenta as chances de ter quadros mais severos de COVID-19.

Em gestantes obesas também foi observado maior número de internações por COVID-19 do que em não obesas.

 

Obesidade + diabetes mellitus e COVID-19

A hiperglicemia (excesso de açúcar no sangue), comum em obesos e característica do diabetes mellitus, também se relaciona a maior mortalidade por COVID-19. Os altos níveis de glicose no sangue “atrapalham” o funcionamento das células do sistema imune, o que prejudica o combate à infecção.

O vírus SARS-CoV-2 tem capacidade de se ligar às células pancreáticas produtoras de insulina, o que pode prejudicar a produção desse hormônio e facilitar a hiperglicemia. O adequado funcionamento da insulina, além de manter os níveis de glicose no sangue normais, é fundamental para a produção de substâncias que auxiliam no combate ao vírus.

Em resumo, temos um ciclo com: 1) a hiperglicemia, que prejudica o sistema imune; 2) o vírus, que possivelmente atrapalha a produção de insulina, resultando em aumento da hiperglicemia.

Um estudo de gestantes com COVID-19 realizado nos Estados Unidos, de março a maio de 2020, também evidenciou maior índice de internação nas que apresentavam obesidade e diabetes gestacional.

 

Obesos e a vacina da COVID-19

Foi descoberto com a vacina do Influenza que os obesos tendem a não responder tão bem à mesma quanto os não obesos, isto é, não criam tantos anticorpos contra o vírus. Efeitos similares já foram relatados com as vacinas de hepatite A, hepatite B, tétano e raiva. Por esse motivo, existe o real receio de que também não responderão adequadamente à futura vacina da COVID-19.

 

Autoria: Tayná

Fontes:

Individuals with obesity and COVID‐19: A global perspective on the epidemiology and biological relationships. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/obr.13128

COVID-19 and diabetes: a co-conspiracy? Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/landia/article/PIIS2213-8587(20)30315-6/fulltext

SARS-CoV-2 Infection Among Hospitalized Pregnant Women: Reasons for Admission and Pregnancy Characteristics — Eight U.S. Health Care Centers, March 1–May 30, 2020. Disponível em: https://www.cdc.gov/mmwr/volumes/69/wr/mm6938e2.htm?s_cid=mm6938e2_e&ACSTrackingID=DM38216&ACSTrackingLabel=MMWR+Early+Release+-+Vol.+69%2C+September+16%2C+2020&deliveryName=DM38216

Setembro/2020