Você sabe do que faleceram D. Pedro I, Álvares de Azevedo, José de Alencar??

Essas e muitas outras figuras famosas da História (antiga e recente) tiveram ou mesmo faleceram de uma doença chamada tuberculose (TB).

A TB é a doença infecciosa que mais mata no mundo. É causada pelo bacilo Mycobacterium tuberculosis, que já foi encontrado até em múmias do antigo Egito (3000 a.C.).

 

Por que esse assunto é importante?

Em 2018, segundo dados do Ministério da Saúde (MS), 1,5 milhão de pessoas morreram no mundo em decorrência da TB.

No Brasil, a doença é considerada um problema de saúde pública e vitimou 4490 pessoas no mesmo ano.

 

Além desses dados epidemiológicos alarmantes, há o fato de que o bacilo causador da TB não afeta somente os pulmões, ele pode causar doença praticamente em todo o corpo (intestinos, coração, rins, pele, sistema nervoso…).

 

Quando suspeitar de tuberculose?

Pessoas com tosse (seca ou com catarro) há mais de 3 semanas, devem procurar uma Unidade Básica de Saúde (UBS) para investigação de tuberculose. Outros sintomas são: febre no período vespertino, suor durante a noite, emagrecimento, cansaço.

 

Como a TB é transmitida?                                                                                           

 

Pelo ar, por meio de fala, tosse e espirros do doente.

Objetos como talheres, copos, roupas não transmitem a doença.

 

 

Ambientes ventilados e com luz natural são recomendados, já que o bacilo não resiste à exposição à luz solar.

 

Existe tratamento para a TB?

Na época em que muitos dos nossos gloriosos personagens históricos viveram, não havia medicamento que combatesse o bacilo da TB; hoje em dia o tratamento não só existe, como é totalmente gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Existe vacina de tuberculose?

Sim. A vacina protege contra os tipos mais graves da doença (tuberculose miliar, meningite tuberculosa) e está disponível gratuitamente no SUS. Faz parte do Calendário Nacional de Vacinação e é uma vacina que se toma logo ao nascer.

 

Poema e homenagem

Felizmente, não estamos mais nos tempos de Manuel Bandeira – que recebeu o diagnóstico de tuberculose em uma época em que isso era praticamente sinônimo de morte iminente –, mas ainda podemos prestar a ele uma singela homenagem. Segue o poema “Pneumotórax”:

“Febre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos.
A vida inteira que podia ter sido e que não foi.
Tosse, tosse, tosse.

Mandou chamar o médico:
— Diga trinta e três.
— Trinta e três . . . trinta e três . . . trinta e três . . .
— Respire.
………………………………………………………………………………………
— O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito infiltrado.
— Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?
— Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino”.

 

Autoria: Tayná

Fontes:

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde – Boletim Epidemiológico, março 2020

Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo

Imagens: Internet

Março/2020